tomás jorge raiva


Raiva

Saber ter raiva
Com as palavras que gritam força
Ter raiva
Com os músculos tensos de pólvora
Raiva
Com os lábios humedecidos de amor
Raiva
No jogo igualmente jogado
Saber ter raiva
Raiva de carinho e ódio
Nas impressões digitais da vida
Raiva com força
E raiva com amor
Jogo igualmente jogado
No dedilhar da metralha
No dedilhar da guitarra!

Comentários

Marta Vasil disse…
Pareceu-me que a raiva surge aqui nas mãos deste poeta como aquilo que se sente em imensa intensidade, no que nos dói e no que nos faz cantar.

MV
soantes disse…
Sempre atenta e perspicaz. É, sim, isso, daí que também seja raiva no amor, com amor, com paixão.